“Enquanto a sociedade feliz não chega, que haja pelo menos fragmentos de um futuro em que a alegria é servida como sacramento, para que as crianças aprendam que o mundo pode ser diferente. Que a escola, ela mesma, seja um fragmento do futuro...” (Rubem Alves)





.

Alvares de Azevedo


Pálida, à luz da lâmpada sombria,
Sobre o leito de flores reclinada,
Como a lua por noite embalsamada,
Entre as nuvens do amor ela dormia!


Era a virgem do mar! Na escuma fria
Pela maré das águas embalada...
- Era um anjo entre nuvens d'alvorada,
Que em sonhos se banhava e se esquecia!


Era mais bela! o seio palpitando...
Negros olhos, as pálpebras abrindo...
Formas nuas no leito resvalando...


Não te rias de mim, meu anjo lindo!
Por ti - as noites eu velei chorando,
Por ti - nos sonhos morrerei sorrindo!

[Álvares de Azevedo]








Manuel Antônio Álvares de Azevedo, segundo filho de Inácio Alvarez de Azevedo e Maria Luísa Carlota Silveira da Mota, nasceu na capital de São Paulo na rua de São Francisco próxima à Faculdade de Direito, a 12 de setembro de 1831. Antes de Manuel Antônio casal teve uma filha Maria Luísa, que se tornaria a irmã predileta de Álvares de Azevedo. Com 2 anos de idade Álvares de Azevedo juntamente com sua família muda-se para o Rio de Janeiro.

Em 1835, morre seu irmão mais novo. Álvares de Azevedo fica com a saúde debilitada devido o choque emocional causado pela terrível perda.
De 1840 a 1844, Álvares de Azevedo estuda no Colégio Stoll. Aluno de Destaque impressiona o proprietário do colégio: professor Stoll, que envia uma carta a seu pai contendo os seguintes dizeres: “ Seu pequeno Manuel encanta-me sempre mais: é sem dúvida a criança de mais bela esperança do meu colégio, exceto em ginástica em que é o último”, e diz mais adiante: “ ...é a maior capacidade intelectual que encontrei na América em menino de sua idade”...
Em 1844, viaja para São Paulo em companhia de seu tio dr. José Inácio Silveira da Mota, professor da Faculdade de Direito, presta os exames mas não pode matricular-se devido sua idade. Regressa no ano seguinte ao Rio de Janeiro onde adquire o grau de Bacharel em Letras após ter sido aprovado plenamente em todas as matérias. Nesse colégio Álvares de Azevedo foi aluno de Gonçalves de Magalhães, precursor do Romantismo no Brasil com sua obra: “Suspiros poéticos e saudade”.
Em 1848, Álvares de Azevedo matricula-se na Faculdade de Direito de São Paulo. Rapidamente se destaca, graças ao estudo de Direito Romano e análise do Código do Comercio no Brasil, foi escolhido como orador na sessão em que se comemorava o aniversário da criação dos cursos jurídicos no Brasil em 1849.
Em 1851, vai passar as férias de fim de ano com sua família no Rio de Janeiro, em dezembro vai passar o verão na fazenda de parentes. Nessa época em março de 1852, Álvares de Azevedo que já estava tuberculoso, cai de um cavalo, ficando no leito até a morte no dia 25 de abril de 1852.

Sobre a verdadeira causa de sua morte divergem os biógrafos entre tumor, apendicite, a queda em si, ou tuberculose. Em seu túmulo está o epitáfio: “Foi poeta, sonhou e amou na vida”.

Referencias
MAGALHÃES,Tereza Cochar. CEREJA,Willian Roberto. Português linguagens volume 2, São Paulo 1994, Atual Editora
BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, 1936. 44 edição1994. São Paulo. Cultrix.
FARACO, Carlos Emilio. MOURA. Francisco Marto. Língua e Literatura (1996) SP.AZEVEDO, Álvares de. Lira dos Vinte Anos. Martin Claret, 2007. São Paulo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário