“Enquanto a sociedade feliz não chega, que haja pelo menos fragmentos de um futuro em que a alegria é servida como sacramento, para que as crianças aprendam que o mundo pode ser diferente. Que a escola, ela mesma, seja um fragmento do futuro...” (Rubem Alves)





.

A hora da estrela



O romance “A hora da estrela” de Clarice Lispector conta a estória de uma moça nordestina chamada Macabéa. O nome Macabéa tem um significado oposto à personagem do Romance, ele vem de uma história que se encontra na Bíblia, Judas Macabeu foi o líder judeu que se revoltou contra o domínio Grego-Macedônico e libertou o país da humilhante invasão estrangeira

Este texto é uma interpretação bem particular, mas acredito que tenha relação com a mensagem da obra..

Macabéa, assim chamada de forma irônica, é uma moça nordestina que desde a infância foi privada daquilo que lhe proporcionava alegria. Sua tia batia constantemente em sua cabeça com “cascudos” e privava a pequena Macabéa da única paixão da sua vida que era doce de goiaba com queijo. Desde muito cedo foi ensinada dessa forma cruel, que não podia ter o que desejava.
Quando cresce, Macabéa vai morar no Rio de Janeiro e começa a trabalhar como datilógrafa. Gosta muito de coca-cola e da atriz Marilyn Monroe, ouvir rádio relógio, e recortar figuras de revistas.
Conhece um rapaz chamado Olímpico, passam a namorar, mas Olímpico a maltrata com suas palavras cruéis, entretanto Macabéa não esboça reação.
O namoro de Macabéa não dura muito, Olímpico revoltado com a passividade de Macabéa a troca por sua colega de trabalho Glória.
Macabéa seguindo o conselho de Glória consulta uma cartomante. A cartomante lhe faz muitas promessas, promessas de um futuro bom. Toda feliz, Macabea sai da casa da cartomante “uma pessoa grávida de futuro” (pag.79). Pela primeira vez enxergando seus problemas e pensando em melhorar de vida. Mas um Mercedes atropelou a pobre Macabéa que caiu e agonizando morreu.

Macabéa é um exemplo de alienação, tudo nela é exagerado. Mas muitas pessoas tornam-se também “Macabéas”. Uma pessoa totalmente alienada e conformada. A Macabéa aprendeu com a tia que não deveria desejar, ou que se desejasse não poderia ter. Fechada no seu mundinho, sem se abrir para novas possibilidades, da mesma forma as pessoas (não sei se a maioria), vivem alienadas.
Assim como a Macabéa adorava coca-cola e a falecida atriz Marilyn Monroe,o povo de nosso país admira em demasia tudo o que vem dos estados unidos, e esquece de suas principais necessidades, esquece que a vida pode ser muito mais do que comer o lixo que é jogado dos EUA.
Assim como Macabéa, muitas pessoas vivem alienadas sem se abrir para a vida, sem ampliarem sua visão de mundo. Correm atrás de ilusões e quando acordam já está tarde. As atividades de lazer de Macabéa parecem engraçadas pela sua futilidade, mas e as nossas? Será que não vivemos também numa rotina que nos escraviza? Será que não temos também um pouco de Macabéa em nossas atitudes e escolhas? O principal problema de Macabéa era achar que a vida era apenas o que ela enxergava!



LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela.. Rio de Janeiro. Rocco. 1998

Um comentário:

  1. Quando li a obra "A hora da estrela", lembro que senti náuseas. Comparei a vida da singela Macabéa com a vida que pode ser vivida, sem privações, com emoção e amor. Lembro de chorar todas as vezes em que ela era humilhada ou colocada de lado, pois sentia, como ser humano a dor que aquilo poderia causar. Seus sofrimentos, desejos, paixões, enfim, o absurdo de uma existência permeada por uma mistura de decepções e projetos inacabados. A vontade de ser amada que sentiu Macabéa,e o desespero de não considerada uma simples partícula na vida de alguém...

    ResponderExcluir