Princípios de morfossintaxe

As crianças com sua maneira de ver e sentir as coisas brincam com as palavras, brincam de repetir as palavras várias vezes até perder o sentido, isso porque existe o plano de expressão e o plano de conteúdo. A sílaba é a construção de fonemas articulados, o fonema por si não significa nada, e nem a sílaba, eles só passam a possuir significado pela articulação existentente. A sílaba é um sintagma no plano da expressão. Sintagma é uma construção em qualquer nível resultando da articulação de unidades menores. O traço que divide o plano de expressão do plano de conteúdo é o significado existir ou não. Na gramática existe o estudo da morfologia juntamente com sintaxe, fonética e fonologia. O estudo da morfossintaxe se limita apenas as unidades com significado, a morfossintaxe estuda o morfema (menor unidade significativa), e o período(simples ou composto). A morfossintaxe opera com alguns conceitos que são: A articulação, a função, substância e forma(estrutura e construção), análise e síntese. A articulação designa o conjunto de posições que os órgão do aparelho fonador podem tomar para produzir o som, mas também fala que as formas lingüísticas podem ser analisadas através da separação das partes, essas partes se articulam para criar um novo signo, o princípio da dupla articulação da linguagem foi estabelecido por Martinet, segundo Martinet a primeira articulação é a das unidades significativas, ela ocorre no plano de conteúdo, já a segunda é a articulação dos fonemas que ocorrem no plano da expressão. A dupla articulação representa uma enorme economia e é capaz de produzir a comunicação verbal com um número limitado de unidades, as combinações nunca se esgotam. A articulação na linguagem torna possível a formação de muitos signos diferentes com poucos fonemas, isso devido a relação que os fonemas e morfemas podem adquirir no eixo sintagmático. A função é o papel que os componentes possuem devido à sua relação com os demais, o termo não exerce uma função em relação ao outro e sim contrai uma função em relação ao outro, a relação que há na função só pode ser definida pela análise. Substância e forma(estrutura e construção), as relações que se estabelecem entre as partes de um todo constituem a sua estrutura, a estrutura é uma construção, é substância formalizada, ou seja, substância dotada de forma. Análise e síntese, a análise é o método cartesiano de conhecimento que consiste em decompor um todo em partes sem perder de vista as relações que essas partes mantém, a análise é a investigação dos sub-conceitos com os quais o conceito em questão foi constituído, a descrição de uma língua é feita pela análise. Os recursos gramáticas que podem ser sistematizados através da análise da língua portuguesa são: a ordem das palavras, que é o recurso que opera no nível da estruturação sintática, que pode ocorrer em ordem maior ou menor se for uma língua diferente; a composição, é um gerador de palavras, são palavras formadas por radicais diferentes; a afixação forma palavras derivadas, é o acréscimo de afixo a um radical, seja esse afixo um prefixo, sufixo ou ambos, a afixação forma palavras derivadas; alternância vocálica e alternância consonantal, é quando um radical ou uma consoante sofrem alterações significativas formalizando fatos gramaticais, como novo/novos, novo/nova; variação do acento é qualidade física do som a intensidade, altura e timbre como em prática/pratica datilógrafo/datilografo; a reduplicação consiste em duplicar um radical a um sílaba que a ele se antepõe; palavras instrumentais estabelecem conceitos abstratos da relação, operam relações e funções e podem operar a transferência de um valor gramatical à outro sem que ocorra a derivação, as palavras instrumentais podem ser pronomes relativos, conjunções, preposições, e também verbos auxiliares.



Baseado no texto: Morfossintaxse de: CARONE, Flávia de Barros, Morfossintaxe. São Paulo: Ática, 2004. p 7-21.

7 comentários:

  1. qual a morfossintaxe da palavra capaz na frase"...carregado de toda ânsia de vingança de que era capaz"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O termo "que era capaz" funciona como complemento nominal, isto é, completa o sentido do nome "vingança". Analisando a oração subordinada "que era capaz", o adjetivo "capaz"funciona como predicativo do sujeito citado na frase (a terceira pessoa do singular).

      Excluir
  2. bkghvhjftydtrdersdazswaq2

    ResponderExcluir
  3. o que é planos da expressão e planos do conteudo??..tatiane_porto@hotmail.com
    Por favor preciso desta resposta!Obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. sou professora de educação infantil, graduada apenas em pedagogia, iniciei uma especialização em lingua portuguesa e literatura, mas estou perdida na materia, fonema, fonetica e morfosintaxe, será que consigo acompanhar?

    ResponderExcluir
  6. è um pouco difícil de acompanhar fonética , fonema e morfossintaxe, mas com um pouco mais de esforço você consegue sim! Não desista!

    ResponderExcluir

“Enquanto a sociedade feliz não chega, que haja pelo menos fragmentos de um futuro em que a alegria é servida como sacramento, para que as crianças aprendam que o mundo pode ser diferente. Que a escola, ela mesma, seja um fragmento do futuro...” (Rubem Alves)





.